segunda-feira, 9 de maio de 2011

Let it be


Certa vez, quando tinha seis anos, vi num livro sobre a Floresta Virgem, “Histórias Vividas”, uma imponente gravura. Representava ela uma jibóia que engolia uma fera.
Dizia o livro: “As jibóias engolem, sem mastigar, a presa inteira. Em seguida, não podem mover-se e dormem os seis meses da digestão”.
Refleti muito então sobre as aventuras da selva, e fiz, com lápis de cor, o meu primeiro desenho. Mostrei minha obra prima às pessoas grandes e perguntei se o meu desenho lhes fazia medo.
Respondera-me: “Por que é que um chapéu faria medo?”
Meu desenho não representava um chapéu. Representava uma jibóia digerindo um elefante. Desenhei então o interior da jibóia, a fim de que as pessoas grandes pudessem compreender. Elas têm sempre necessidade de explicações.

O Pequeno Príncipe, Antoine de Saint Exupéry


Houve um tempo em que eu também desenhava elefantes em jiboias, e pessoas de gravetos, sem me importar com o mundo de verdade. Até porque, se desenhar a realidade fosse lógico, não existiriam espelhos. Mas então vieram os catedráticos, com suas lições de gramática e história, dizendo que para ser eu precisava mudar de raciocínio. Mudei, desenrolei os cachos, tornei-me diplomática. Que coisa. Continuo com saudades de mim.

Ninguém precisa construir pontes para dentro de si mesmo, nem explicar loucuras passageiras, como o riso que vem fácil. Que pena que a vida adulta nos faz bonecos de argila, moldados ao gosto de padrões e regras sociais de um mundo quadrado. Aprecio mesmo é a coragem de quem é inexplicável, sabe, anormal. Mas rejeito pessoas pré-concebidas. Não adianta ser diferente de mim, se for igual a todo mundo.

Acho que conquistei o direito de ser meio esquisita, então não venha me obrigar a enxergar o óbvio. Já descobri que quero ser eu quando crescer, viver assim de bem comigo pelo resto da vida. Andar descalça, cantar sem saber a letra, transcrever meu universo em prosa poética. E se eu quiser morrer de amor, tanto melhor pra mim.


6 comentários:

  1. O problema dos outros é querer que vivamos como eles, já que não podem viver como nós.
    Belo texto.

    ResponderExcluir
  2. Eu gosto do mundo assim, do jeito que é...
    Uns são, outros não.
    Alguns querem ser, outros pouco importam.
    E assim segue o equilibrio, e nesse fluxo todos se destacam, pra cima ou pra baixo, todo mundo tem o seu lugar...
    Gosto de viver como quero, como penso, o importante é estar feliz, não procuro viver assim por querer ser radical, mas por querer viver minha vida de forma intensa, pois ela é única!
    Mas também gosto de fazer feliz quem está ao meu lado, e as vezes posso deixar de ser eu por algum momento, mas não por ser "maria vai com as outras", ou por não ter "personalidade", mas sim pra conseguir conviver e ter um ciclo de amizades, amor e etc... Isso é "manter o equilibrio"... tudo que é demais ou de menos, acaba sendo prejudicial.
    Uns me acham esquisito, outros me acham "massa", outros me criticam e outros me admiram por agir de forma espontanea, descontraída e sincera.
    Mas o que realmente importa, é que sou feliz comigo mesmo, e sou feliz com o mundo por ser assim, por dar a todos nós a chance de sermos, o que ou quem queremos ser...

    Excelente o texto Fabi... Mais uma vez, parabéns!!!

    ResponderExcluir
  3. Esquisito, já fui taxa de esquisito várias vezes e pra ser sincero, sempre gostei. Temos o poder de fazer diferença sobre tudo aquilo que é clichê.

    Bom saber que tenho conterrâneos que escrevem bem. A Ana Paula sugeriu seu blog e agora sua prima Fernanda. Seguindo aqui! o/

    Conheça o meu tb!
    www.sinceridadegozada.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Belo Blog, Belo Texto, ótimo design ! *-*

    Adorei aqui (;

    Seguindo, segue o meu anjo?
    - http://ewerton-lenildo.blogspot.com/ -

    ResponderExcluir
  5. O segredo é nunca perdermos a essência... de resto, é adaptar-se.

    Gostei do Blog

    Abraços

    Alexandre
    http://soupretomassoulimpinho.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Serviço de atendimento ao leitor